top of page

Glioma cerebral: risco genético e opções de tratamento

O cérebro, essa maravilha complexa, às vezes é desafiado por intrusos invisíveis chamados gliomas. São tumores que se originam nas células da glia, que são células de suporte do sistema nervoso central. Eles podem surgir em várias partes do cérebro e da medula espinhal e são classificados em diferentes tipos com base nas características celulares.

A genética desempenha um papel curioso nos gliomas. Alguns casos de glioma têm uma base hereditária, o que significa que a condição pode ser transmitida de geração em geração. Mutações genéticas específicas estão associadas a um risco aumentado de desenvolver gliomas. A ocorrência do glioma é uma questão poligênica, mas aqui estão alguns exemplos de como o gene TP53 influencia na característica:

  1. Função normal do gene TP53: O gene TP53 produz uma proteína chamada p53, que atua como um "guardião do genoma". A proteína p53 desempenha um papel crítico na detecção de danos ao DNA e na regulação do ciclo celular. Quando o DNA está danificado, a proteína p53 interrompe a divisão celular para permitir que os mecanismos de reparo entrem em ação. Se o DNA não puder ser reparado, a p53 pode induzir a apoptose, que é a morte programada da célula para evitar a replicação de células defeituosas.

  2. Mutação no gene TP53: Quando ocorre uma mutação no gene TP53, a proteína p53 não funciona adequadamente. Isso significa que o mecanismo de controle sobre a divisão celular é comprometido. As células com mutações no TP53 podem perder a capacidade de detectar e corrigir danos ao DNA, permitindo que erros genéticos se acumulem.

  3. Crescimento descontrolado das células: No contexto dos gliomas, as mutações no TP53 podem permitir que células do sistema nervoso central evitem os mecanismos reguladores normais e comecem a se dividir de maneira descontrolada. Isso pode levar à formação de um tumor no cérebro ou na medula espinhal.

Gliomas não são todos iguais. Existem diferentes tipos, cada um com suas próprias características e desafios. Os gliomas são frequentemente classificados em três tipos principais: astrocitomas, oligodendrogliomas e glioblastomas. Cada um deles requer abordagens de tratamento específicas.

As opções de tratamento incluem cirurgia para remover o tumor, radioterapia e quimioterapia. Em alguns casos, a terapia-alvo e a imunoterapia podem ser usadas para direcionar especificamente as células cancerosas. O tratamento é altamente individualizado, dependendo do tipo e da localização do glioma, bem como da saúde geral do paciente.

A pesquisa em gliomas está avançando a cada dia. Novas terapias estão sendo exploradas, e a compreensão da genética desses tumores está se aprofundando. A esperança está no horizonte para pacientes e suas famílias, à medida que a ciência se esforça para encontrar melhores tratamentos.



5 visualizações0 comentário

Opmerkingen


bottom of page