top of page

Como a genética influencia nossa capacidade de absorver certos micronutrientes

A genética desempenha um papel crucial na capacidade de absorver micronutrientes. Variações em nossos genes podem afetar a produção e a funcionalidade de proteínas responsáveis pelo transporte e metabolismo de vitaminas e minerais essenciais. Por exemplo, algumas pessoas possuem variantes genéticas que influenciam a atividade de enzimas digestivas, o que pode impactar a quebra e absorção de nutrientes, como a vitamina D ou a vitamina B12. Além disso, outras variações genéticas podem afetar a expressão de proteínas transportadoras nas células intestinais, o que pode limitar a eficiência na absorção de ferro, cálcio e outros micronutrientes cruciais para o bom funcionamento do organismo.

A vitamina A é um nutriente essencial que desempenha um papel crítico na visão, função imunológica, crescimento e desenvolvimento. Embora a vitamina A pré-formada (retinol) seja encontrada apenas em alimentos de origem animal, nosso corpo converte pigmentos vegetais antioxidantes chamados carotenóides, como o beta-caroteno, em retinol por meio de processos enzimáticos no intestino. No entanto, existe uma variabilidade genética significativa na eficiência das pessoas em "desbloquear" o valor da vitamina A de alimentos ricos em carotenóides.

Cerca de 45% da população tem variantes genéticas que os tornam "baixos conversores", o que significa que seus corpos convertem menos de 28% do beta-caroteno da dieta em retinol. Essa ineficiência de conversão os coloca em maior risco de deficiência de vitamina A se suas dietas forem baixas em fontes animais. Alguns sintomas são:

  • Cegueira noturna e outras deficiências visuais

  • Imunidade comprometida e infecções aumentadas

  • Distúrbios da pele e problemas na cicatrização de feridas

  • Problemas de desenvolvimento em crianças, incluindo crescimento atrofiado

A principal enzima envolvida na clivagem dos carotenóides é a beta-caroteno 15,15'-monooxigenase (BCMO1), e vários SNPs no gene BCMO1 foram associados à capacidade de conversão reduzida. Indivíduos com dois alelos para conversão ineficiente nesses locais podem ter apenas cerca de 20-50% da capacidade de conversão normal.

O status de baixo conversor pode interagir com outros fatores, como doenças que afetam a absorção de gordura e certos medicamentos para reduzir ainda mais os níveis de vitamina A. Garantir uma ingestão alimentar suficiente de fontes animais, como vísceras, ovos e laticínios, pode ajudar a superar as diferenças genéticas na conversão. Para aqueles que evitam alimentos de origem animal ou consomem pouco, a suplementação com retinol pré-formado é outra opção.

Embora a genética tenha um impacto significativo, fazer escolhas conscientes em relação ao nosso ambiente e estilo de vida pode ajudar a manter um status saudável de vitamina A. Para utilizar plenamente os benefícios nutricionais dos alimentos à base de plantas, é essencial compreender nossa biologia individual.



9 visualizações0 comentário

Commenti


bottom of page